06 outubro 2011

CUIDE BEM DOS SEUS CABELOS...





Preste atenção à saúde de seu cabelo. Calvície e Alopecia podem ser minimizados
A sociedade tem dado muito valor social e cultural aos cabelos e seus penteados. Se
os cabelos forem ficando escassos ou ralos, tanto homens quanto mulheres se tornam
preocupados. Sem entenderem o porquê da queda dos cabelos acabam recorrendo às
chamadas "poções mágicas", vitaminas, massagens no couro cabeludo e até tratamentos
elétricos com o objetivo de estimular o crescimento dos cabelos. Queda de cabelo é um
fato comum e uma alta porcentagem apresenta esta queixa. Para se ter uma idéia, um
estudo mostrou que em cada três homens, aproximadamente dois desenvolvem alguma
forma de calvície ao longo de suas vidas.


Crescimento normal dos cabelos
Aproximadamente 90% dos cabelos do couro cabeludo encontram-se em fase de
crescimento, sendo que esta tem duração de cerca de dois a seis anos. O restante, 10%,
encontra-se em fase de repouso, cuja duração aproximada é de dois a três meses. O
cabelo cai ao atingir o fim desta fase.
É normal que caiam de 50 a 100 fios por dia. Sempre que um fio cai ele é substituído
por outro no mesmo folículo dando início a um novo ciclo de crescimento. Os cabelos
crescem, aproximadamente, 1cm por mês. À medida que o indivíduo envelhece, o
crescimento dos cabelos tende a ser mais lento.
Cabelos naturalmente louros geralmente apresentam-se em maior número (140.000 fios)
do que aqueles de cor escura (105.000 fios) e ruivos (90.000 fios).
O cabelo é formado, em sua maior parte, por uma proteína que também é encontrada
nas unhas. Todos deveriam ingerir uma quantidade adequada de proteínas para manter
normal a produção dos cabelos. As proteínas são encontradas em carnes vermelhas,
frango, peixe, ovo, alguns queijos, grãos, castanhas, tofu e feijão.


O que causa a perda excessiva de cabelos?
A queda excessiva de cabelo pode ter muitas causas diferentes. A pessoa que
perceber que seus cabelos estão caindo em grande quantidade depois de penteá-los
ou lavá-los, ou que estes estão se tornando mais finos ou escassos deveria consultar
seu dermatologista. É importante descobrir a causa e se o problema responderá ao
tratamento médico ou não.
Dermatologistas, médicos especializados no tratamento de alterações no cabelo e na
pele, irão avaliar o problema do paciente buscando informação sobre sua dieta, uso
de medicamentos, inclusive vitaminas tomadas nos últimos 6 meses, história familiar,
alguma doença recente e cuidados habituais com os cabelos. No caso de mulheres que
apresentem esta queixa, o médico deve perguntar sobre ciclo menstrual, gravidez e
menopausa.
Após o exame do couro cabeludo pode-se checar o fio de cabelo ao microscópio. Testes
laboratoriais podem ser indicados incluindo biópsia do couro cabeludo.
Dentre as principais causas podemos citar:


Pós-parto
Quando a mulher está grávida ela perde menos cabelos do que perderia normalmente
caso não estivesse neste período. No entanto, após o parto, muitos fios entram na fase
de repouso do ciclo. Em aproximadamente 2 a 3 meses após o parto, algumas mulheres
irão notar uma quantidade aumentada de fios em pentes e escovas. Este fato pode
perdurar de 1 a 6 meses, mas se resolve completamente na maioria dos casos.


Febre alta, infecção grave e resfriado forte
Em um período que varia de 4 semanas a 3 meses após o desenvolvimento destes
quadros pode haver queda de cabelo que, no entanto, se corrige espontaneamente.


Doenças da tireóide
Tanto o hipotireoidismo quanto o hipertireoidismo podem ser causas de queda de
cabelo. Estas alterações da tireóide podem ser diagnosticadas através de exames
laboratoriais. O tratamento correto das doenças da tireóide pode corrigir a perda capilar.


Dieta inadequada em proteína
Algumas pessoas que fazem dietas pobres em proteínas ou têm hábitos alimentares
anormais podem desenvolver desnutrição protéica. O corpo irá economizar suas
proteínas fazendo com que os fios que se encontrem na fase de multiplicação passem
para a fase de repouso. Passados 2 ou 3 meses pode haver uma queda maciça dos
cabelos. Devido ao enfraquecimento dos pelos arrancá-los juntamente com suas raízes
torna-se mais fácil. Essa condição pode ser prevenida e revertida com quantidades
adequadas de proteínas na dieta.


Medicamentos
Algumas drogas prescritas podem causar queda de cabelos temporariamente em um
pequeno grupo de pessoas. Exemplos dessas drogas incluem alguns medicamentos
usados no tratamento de gota, artrite, depressão, problemas cardíacos, hipertensão
arterial e anemia. O excesso de vitamina A também pode levar à queda de cabelo.


Tratamentos de câncer
Alguns tipos de tratamentos para câncer farão com que as células responsáveis pelo
crescimento dos cabelos parem de se dividir. Os cabelos começam, então, a ficar finos
e quebradiços. Isto ocorre cerca de 1 a 3 semanas após o início do tratamento. Pacientes
podem chegar a perder mais de 90% dos seus cabelos. Após terminado o tratamento, o
crescimento capilar se reinicia. Alguns pacientes optam pelo uso de perucas antes do
término do tratamento.


Pílulas anticoncepcionais
Mulheres que apresentam queda de cabelos enquanto estão em uso de pílulas
anticoncepcionais, geralmente já apresentam uma tendência prévia a terem menor
quantidade de cabelos. Se esta queda realmente ocorrer, a usuária deverá consultar seu
ginecologista na tentativa de substituir o anticoncepcional usado. Quando a mulher
interrompe o uso do anticoncepcional ela poderá perceber que a queda do cabelo inicia-
se 2 a 3 meses após esta interrupção podendo permanecer até 6 meses. O fato ocorre à
semelhança das mulheres no pós-parto.


Baixo nível de ferro no sangue
A deficiência de ferro também pode levar à queda de cabelo. Algumas pessoas não
ingerem ou não absorvem bem o ferro. Mulheres que têm período menstrual de volume
ou duração prolongada, também podem desenvolver esta deficiência. A detecção da
redução do ferro no sangue é feita através de exames laboratoriais e pode ser corrigida
pelo uso de comprimidos ou medicações que contenham ferro.


Grandes cirurgias e doenças crônicas
Qualquer pessoa que se submeta a uma cirurgia de grande porte (estresse para o
organismo) pode perceber queda dos cabelos 1 a 3 meses após o procedimento
cirúrgico. Esta condição se reverte espontaneamente em poucos meses, o que não ocorre
nos casos de doenças crônicas.


Alopécia Areata
É o tipo de queda de cabelo que leva a uma área pequena e arredondada totalmente
sem cabelos ("pelada") e do tamanho de uma moeda ou maior. Raramente, ocorre a
perda completa dos cabelos do couro cabeludo e do corpo. Esta alteração pode acometer
crianças e adultos de qualquer idade.
A causa da alopécia areata ainda é desconhecida. As pessoas apresentam excelente
saúde física fora este sinal. Em alguns casos os cabelos podem voltar a crescer
espontaneamente. Dermatologistas podem tratar muitas pessoas com esta condição
através de medicações tópicas ou, em alguns casos, sistêmicas.


Calvície hereditária
É a causa mais comum, sendo que esta tendência pode ser herdada tanto do lado
materno quanto do lado paterno da família. Mulheres com este "traço" desenvolvem
cabelos ralos, não se tornando completamente carecas.
Essa condição é chamada de alopécia androgenética e pode começar na adolescência,
aos 20 ou 30 anos. Não há cura, porém tratamentos medicamentosos têm se tornado
disponíveis recentemente. Um dos tratamentos envolve a aplicação de uma loção,
minoxidil, 2 vezes ao dia no couro cabeludo. Alguns penteados podem esconder a
região com menos cabelos. E o transplante de cabelos pode redistribuir os fios que
permaneceram.


Infecção por fungos
Inicialmente formam-se pequenas áreas de descamação que podem se estender e resultar
em áreas de fios quebradiços, eritema (vermelhidão), edema (inchaço) e infiltração.
Essa infecção é contagiosa e mais comum em crianças. Tratamento com medicação oral
leva à cura.


Cosméticos e cuidados inapropriados
Muitos homens e mulheres usam tratamentos químicos em seus cabelos, incluindo
tinturas, água oxigenada, descolorantes, alisantes, permanentes e outros. Esses,
raramente, danificam os cabelos se forem usados corretamente. No entanto, se usados
com muita freqüência ou deixados por tempo prolongado, os cabelos podem tornar-se
fracos e quebradiços. Também o uso de mais de um tipo de produto simultaneamente
ou descolorantes em cabelos já previamente descoloridos pode danificar os cabelos. Se
por estes motivos os cabelos se tornarem frágeis, o melhor é interromper o uso até o
crescimento de novos fios.
Lavar, pentear e escovar muito freqüentemente pode danificar os fios tornando-os
quebradiços. Condicionadores e creme rinse podem ser usados após o xampu para
facilitar o penteado. Quando o cabelo está molhado, é mais frágil, devendo-se evitar
pentes, escovas e fricção intensa com toalhas. Não siga a antiga instrução de "dar
100 escovadas por dia". Use sempre pentes e escovas macias. Evite os penteados que
tracionem intensamente os cabelos, como "rabo de cavalo" e tranças. Estes, quando
usados, devem ser alternados com os cabelos soltos, pois presos constantemente podem
levar a quedas.


Transplante de cabelos
Homens e mulheres que apresentam calvície podem considerar o transplante de cabelo
como uma alternativa. Qualquer pessoa que tenha apresentado queda irreversível de
cabelo pode ser um candidato ao transplante. As pessoas que serão beneficiadas por esse
tratamento incluem:
* Homens com formas hereditárias de calvície
* Algumas mulheres com áreas de fios reduzidos
* Pessoas que tenham perdido alguns, não todos, os cabelos devido a queimaduras ou
outros acidentes em couro cabeludo, sobrancelhas ou até cílios
O procedimento de transplante envolve a mudança de cabelos de uma área doadora (que
contenha fios normais) para a receptora (careca ou com poucos cabelos). Pelo fato de
ser um procedimento cirúrgico e, por isso, requerer tempo e dinheiro, este não é um
tratamento usado rotineiramente.
A escolha do procedimento a ser realizado dependerá do tipo de queda de cabelo e o
dermatologista poderá indicar qual é o melhor método em cada caso.


Fonte:
por Maurício Zanini
Rua Mato Grosso, 306, Cj 1.411, Higienópolis, São Paulo, SP, 01239 040


tel. 55 11 2114 6388, fax. 55 11 2114 6389, sbcd@sbcd.org.br
© 2008 - Sociedade Brasileira de Cirurgia Dermatológica