01 setembro 2011

MULHERES MODERNAS, SABIAS E INTELIGENTES....



Hoje em dia não é fácil ser mulher, são mil coisas ao mesmo tempo para administrar...
mas toda mulher sábia, tem orgulho de ser o que é e baseia seus relacionamentos, família, trabalho e amizades na sinceridade, honestidade (com os outros e com ela mesma) e acima e de tudo, na autoestima.

Hein? Como assim, basear um relacionamento externo na minha autoestima? Simples, por que sem ela, você não tem relacionamento nenhum...

Num momento onde a sociedade abre mão de tudo isso, pela quantidade, seja de objetos, pessoas, parceiros ou movimento, é preciso ter muita coragem pra assumir a autoestima como ela é o que realmente ela é e passar a dar valor ao que tem valor! É preciso coragem e entendimento para falar o que pensa, mesmo que isso vá na contramão do que é politicamente correto.

Ando apostando a minha felicidade nisso. Só sendo honesta, correta e acima de tudo sincera, terei relacionamentos dos quais me orgulhe e nos quais eu seja realmente feliz.

E o que é ser feliz hoje em dia? Para alguns, um monte amigos de balada, para outros beijar na boca todos os dias e pessoas diferentes, e ainda existem aqueles que acreditam piamente que felicidade é uma coisa que está no futuro: "o famoso um dia serei feliz".

Agora que entrei na casa dos quarenta, fico que questionando muitas coisas, o que é ser feliz, o que é autoestima, o que é o amor... não tenho respostas para nenhuma dessas perguntas pra você, mas descobri pra mim mesma cada uma delas.

Quando nosso chão parece ruir, quando nossas preces parecem que não são ouvidas, o que fica é o que realmente importa? Família, filhos, amigos reais e leais, saúde, alguma grana no bolso e momentos felizes de fraternidade, amor, alegria, risadas fáceis, abraços de verdade.

Mas chegar nesse estágio não é simples e nem foi fácil... bati muito a cabeça... errei demais nas cores, pesos e coloridos da minha vida, agreguei acessórios que não precisava, usei matizes fortes demais ou apagadas demais... mas acho que a prática está começando a me ensinar alguma coisa.

Estou começando a artefinalizar as coisas na minha vida, ainda vou errar muito, demaiiiis... mas hoje quero cometer erros diferentes. Nada de cometer os mesmos erros. Continuo às vezes colocando peso e absorvendo demais o que não me diz respeito. Preciso ainda aprender a ser menos boazinha, menos "legal" com todo mundo... mas eu chego lá.

Mas redescobri minha estima, e ela está ligada diretamente ao meu amor próprio, ao fato de eu me olhar no espelho com os olhos bem frios e conhecer bem meus defeitos, aceitar e acima de tudo, perdoá-los.

Conhecer cada uma das minhas qualidades também ajuda bem.

Amar é evoluir todos os dias e todos os dias usar as coisas que acontecem da melhor forma possível, se perdoar, saber quais são seus limites e respeitá-los e uma mulher moderna, sábia e acima de tudo inteligente, tem a capacidade de captar esses momentos, girar o caleidoscópio da vida e fazer acontecer.É isso diz respeito somente ao amor próprio.

Onde estaria a minha capacidade de amar outra pessoa, se eu não me amasse?

Eu ouvi de uma pessoa uma vez, uma coisa muito triste: eu nunca amei ninguém. Percebo hoje o egoísmo dessa frase e a incapacidade dele se amar.

Não se amar, é ir além dos limites da sanidade que você mesmo se coloca, é se expor a coisas desnecessárias, é se trair, é não acreditar em você. Como outras pessoas podem acreditar em você, se você mesma não acredita?

Toda mulher sábia, inteligente e moderna sabe que, além de dar nó em pingo dágua, administrar mil coisas ao mesmo tempo, ainda precisa saber que ela não é uma super heroína e só assim, ela poderá ser livre para se amar e amar as pessoas que a rodeiam.

"Endurecer sem perder a ternura", tenho certeza que Che Guevara não disso isso pensando nas mulheres de hoje, mas cabe, na vida de cada uma de nós essa frase, eu só acrescentaria uma coisinha... "Endurecer sem perder a ternura, e sem perder a dignidade"!

_______________________

Brigite Deeke
Autora do Blog
brigiteandme.blogspot.com